Notícias da paróquia › 25/11/2020

Posto de coleta de sangue do Hospital Mandaqui precisa de doações com urgência

Coleta de sangue no Hospital das Clínicas: poucos doadores

Por Edmilson Fernandes

Hoje é Dia Nacional do Doador de Sangue. É uma boa oportunidade para lembrar da importância desse ato de solidariedade que pode ajudar até 4 pessoas com uma única doação. Como sabemos, o sangue é um produto que não se pode comprar na farmácia. Imprescindível para alguns tratamentos e em casos de emergência, o sangue só é reposto nos hospitais por meio da doação voluntária de pessoas saudáveis. Este ano, por causa da pandemia do coronavírus, as doações caíram muito. Atualmente, o estoque da Fundação Pró-sangue opera com menos 40% das bolsas necessárias para atender mais de 100 instituições de saúde da rede pública da Grande São Paulo. Os sangues dos tipos O+, O-, B+ e B- estão em nível crítico e as reservas não garantem o abastecimento de um dia.
Nos últimos dias, a situação nos hospitais ficou mais grave porque as cirurgias eletivas foram retomadas e a demanda de sangue aumentou. “A gente não conseguiu repor o suficiente porque os doadores não voltaram com a mesma frequência de antes. São aqueles que doam mais de uma vez no período de um ano”, destaca a médica Renata Paula Barros, da Fundação Pró-Sangue, responsável pelo posto de coleta do Hospital Mandaqui.

Dra. Renata Barros: a doação é segura, não demora e pode ajudar até 4 pessoas

“SOMOS TODOS DO MESMO SANGUE”

Desde segunda-feira, a Fundação Pró-Sangue e hemocentros de todo o país começaram uma campanha para mobilizar as pessoas a doarem sangue. A Dra. Renata assinala que o processo de doação é seguro e rápido. “O processo todo, entre preencher a ficha, fazer a entrevista de triagem e doar o sangue não demora mais de 1 hora”, garante.
Para os voluntários que estão com medo de ir a um posto de coleta por causa da Covid-19, a médica Renata Barros também garante que não há risco de contaminação. “A gente tem que frisar que, pra doar sangue, você está num lugar com pessoas saudáveis, teoricamente. Ninguém com algum sintoma de doença vai querer doar sangue. E como as doações estão sendo agendadas, não há aglomeração”. A Fundação Pró-Sangue informa que tem adotado todas os protocolos sanitários nos postos de coleta para preservar os candidatos e os profissionais de saúde.

QUEM PEGOU COVID PODE DOAR SANGUE?

Segundo a médica Renata Barros, quem contraiu o coronavírus pode doar sangue depois de 30 dias da recuperação, desde que não tenha ficado com sequelas. A especialista lembra que a contaminação da Covid-19 não se dá pelo sangue, mas pelas vias respiratórias (nariz e boca). Daí a importância do uso correto da máscara e de lavar bem as mãos ou higienizar com álcool em gel.

AGENDAMENTO
Por causa da pandemia do Coronavírus, as doações de sangue precisam ser agendadas pela internet (prosangue.hubglobe.com). Para evitar aglomeração e o tempo de permanência das pessoas nos postos, a Fundação Pró-Sangue informa que reforçou o número de vagas para o agendamento individual. A médica Renata Barros, responsável pela coleta no Posto Mandaqui, observa que os dias mais procurados pelos doares são as segundas e sextas-feiras. “Se a pessoa não precisar ir nesses dias, nas terças, quartas e quintas o posto está praticamente vazio e é mais tranquilo”.

QUEM PODE DOAR SANGUE
A Fundação Pró-Sangue garante que, na triagem, obedece a normas nacionais e internacionais para oferecer segurança e proteção aos doares e aos receptores de sangue.

Requisitos básicos para doação:
– Estar em boas condições de saúde.
– Ter entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos, precisam de autorização do responsável legal).
– Pesar no mínimo 50kg.
– Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).
– Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).
– Apresentar documento original com foto recente.

QUEM NÃO PODE DOAR
Principais impedimentos temporários

– Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas.
– Gravidez.
– 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana.
– Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses).
– Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação.
– Tatuagem / maquiagem definitiva nos últimos 12 meses.
– Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses.
– Qualquer procedimento endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia,rinoscopia etc): aguardar 6 meses.
– Extração dentária (verificar uso de medicação) ou tratamento de canal (verificar medicação): por 7 dias.
– Cirurgia odontológica com anestesia geral: por 4 semanas.
– Vacina contra gripe: por 48 horas.

Principais impedimentos definitivos

– Hepatite após os 11 anos de idade. *
– Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas.
– Uso de drogas ilícitas injetáveis.
– Malária.
– Mal de Parkinson.
– Hepatite após o 11º aniversário: Recusa Definitiva. Hepatite B ou C após ou antes dos 10 anos: Recusa definitiva. Hepatite por Medicamento: apto após a cura e avaliado clinicamente. Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se levar o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem.

___________________________
POSTO DO HOSPITAL MANDAQUI
R. Voluntários da Pátria, 4227 – Mandaqui – São Paulo
De segunda a sexta-feira, das 8 às 16h30
Fechado aos sábados, domingos e feriados
– Estacionamento para carros:
De segunda a sexta-feira: dentro do posto Mandaqui, mediante disponibilidade de vagas; para chegar ao local é necessário acessar a entrada do complexo hospitalar (ao lado do posto Mandaqui) e virar a primeira à direita no portão verde.
Acessível para pessoas com deficiência visual ou baixa visão, que saibam ler Braille
_________________________
Mais informações sobre doação de sangue:
www.prosangue.sp.gov.br
(11) 4573-7800 – Alô Pró-Sangue

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.