Notícias da paróquia › 30/11/2017

Padre Edimilson celebra 16 anos de vida sacerdotal

“Avance para águas mais profundas, e lancem as redes para a pesca” (Lc  5,4).”

Esta motivação bíblica extraída do Evangelho de Lucas foi o lema da minha ordenação presbiteral.

Recebi o Sacramento da Ordem no dia 2 de dezembro de 2001, na Paróquia Imaculada Conceição, no Bairro do Ipiranga, às 3 horas da tarde. A celebração teve como cântico de entrada a Marcha da Igreja. Fui ordenado na presença de vários padres, diáconos, religiosos, religiosas, dos meus pais, Sebastião e Nair, familiares e da comunidade reunida na missa presidida por Dom Claudio Hummes, então arcebispo da Arquidiocese de São Paulo.

Na celebração se tornara concreta a vocação que, desde criança, dava sinais dentro de mim. Quando eu tinha 7 anos, a professora me perguntou o que eu queria ser quando crescesse. “Vou ser padre!” Esta foi a minha resposta, sem titubear, embora nem soubesse o que inspirava a minha escolha e nem tivesse ideia da responsabilidade que implicava seguir este caminho de consagrado a Deus com o coração indiviso.

Venho de uma família muito católica, do interior de Minas Gerais. Minha família participava das missas dominicais, rezava o terço e era devota de Nossa Senhora. Minha mãe levava todos os filhos para as missas todos os domingos. Andávamos a pé aproximadamente 40 minutos até a igreja. Não media esforços, nem reclamava das longas cerimônias da Semana Santa, que era aguardada com muita ansiedade por todos nós. Lembro muito das procissões, da festa do padroeiro, da encenação da paixão de Cristo.

A participação na Paróquia do Divino Espírito Santo, seara da minha vocação, ajudou-me a reconhecer os dons e talentos. Os serviços, ministérios ali desenvolvidos me ajudaram a crescer na fé, no amor fraterno. A função de coroinha nas missas; a participação na catequese, na Crisma, no grupo de jovens, no Apostolado da Oração, nos retiros espirituais, no encontro vocacional, na liturgia… a observação do exemplo de caridade dos vicentinos… tudo favorecia a minha experiência da Graça.

Ao entrar no Seminário Arquidiocesano Santo Antônio, em Juiz de Fora, os estudos de filosofia, sobre a base da formação pastoral, espiritual, humana, afetiva e intelectual, abriram um leque de novas possibilidades.

Neste tempo, enquanto estava no seminário, também exercia atividade profissional de locutor na Rádio Solar FM em Juiz de Fora.

Ao deixar a terra natal para morar na cidade de São Paulo, na Congregação dos Padres e irmãos Paulinos, começava o desafio: viver longe da família, dos amigos… Mas também uma nova etapa: conhecer outras pessoas. A mudança também me possibilitou o contato com outras culturas, pois São Paulo é a terra de todos os povos.

Estudei Teologia no Instituto Teológico São Paulo, com reconhecimento da Universidade Santo Anselmo, de Roma.

A experiência em alguns apostolados nos Paulinos foi bem positiva. Mas depois de muito refletir, de repensar toda a história de vida, ingressei na Arquidiocese de São Paulo, Seminário Propedêutico Frei Galvão. Já formado em Teologia, foi-me concedida a permissão para entrar na Universidade São Marcos para cursar jornalismo, área na qual também sou graduado.

Ao celebrar 16 anos de sacerdócio, posso rever o caminho percorrido e dizer o quanto sou feliz e a alegria que sinto em poder partilhar as maravilhas que Deus faz em minha vida. É bom seguir e servir o Senhor. Os desafios sempre vão existir em cada caminho que percorrermos. Mas uma coisa é certa: Deus é o nosso aliado que nos ajuda a lançar as redes em águas mais profundas. Por isso que nada temo.

Muito obrigado, Senhor!

Pe. Edimilson da Silva (Pároco)

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.