Artigos, Educação › 05/06/2020

Educação a distância mostra a necessidade de aperfeiçoamento tecnológico dos profissionais do ensino

Série: “O desafio de professores e alunos durante a pandemia”

Capítulo 3

Por Elaine Caetano*

A professora Elaine Caetano analisa as mudanças provocadas pela quarentena no papel dos pais, alunos e professores para se adaptarem ao ensino remoto. A pedagoga assinala que as aulas online mostraram que é preciso acolher e ouvir mais as famílias dos estudantes.

Elaine Caetano, pedagoga e psicóloga

Estamos vivendo um momento único na história mundial – a pandemia causada pelo COVID-19. Com o distanciamento social, a educação passou a ocorrer de forma online. Muitas incertezas com a proposta começaram a surgir. Pais passaram a exercer o papel de professores; professores passaram ao desafio de se tornarem “youturbers”, planejando aulas online; e crianças e jovens passaram a ver todas as modificações que a situação traz. Se, no início, o ensino a distância pode até ter aproximado algumas famílias, levando pais a acompanharem as tarefas dos filhos, aos pouco foi mostrando outras fases, uma vez que estes mesmos pais também estão com trabalhos home office, incluindo aqui, nós, os professores. Outros continuam a sair para trabalhar, pois não conseguiram estar em isolamento. Sem contar os afazeres domésticos, que não pararam, mas aumentaram.

Aulas online expõem desigualdade

No Brasil, o ensino a distância mostrou-se ainda mais cruel, aumentando as diferenças entre os pobres e ricos. Uma pesquisa realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação (CETIC) mostra que mais de um quarto da população brasileira, 30% aproximadamente, não tem acesso à internet.** Isto sem levarmos em conta a falta de equipamentos adequados para o acesso, a quantidade de pessoas residindo em um mesmo local, muitas vezes sem infraestrutura, como luz, saneamento, alimentação adequada, etc. Ainda destacamos também, em muitos casos, a falta de profissionais do quadro do magistério com formação para o uso das ferramentas tecnológicas, levando a outra demanda, o aperfeiçoamento.

Como vencer o desafio do ensino a distância

Diante deste quadro, como podemos vencer o desafio da Educação a distância? Acredito que como fator primordial é necessário acolher as famílias nas quais nossos jovens, crianças e bebês estão inseridos. Realizar a escuta, levando em conta suas reais necessidades e condições, respeitando a rotina e o tempo das mesmas. Desta forma, principalmente para a Educação Infantil, as atividades devem ser sugestões aos pais, levando-se em conta seus princípios e as orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria em relação ao uso de telas com crianças menores. Realizando, combinados, regras para o uso de ferramentas tecnológicas e informando-os sobre a melhor forma de uso, minimizando os possíveis danos. A pandemia nos mostra, entre outras coisas, que algo diferente dará formato à educação. É preciso estarmos atentos a essas mudanças.
______________________________
*Elaine Caetano é pedagoga e psicóloga. Atualmente, trabalha como professora de Educação Infantil e Fundamental I da Prefeitura Municipal de São Paulo.

**Fonte: Sindicato dos professores do Distrito Federal (Sinpro), 27/05/2020.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.